Buscar
  • paolaalteriodi

Texturas no Design de Interiores - onde o conforto visual e físico se encontram

Há uma tendência que vindo a ganhar espaço na arquitetura de interiores e que chama a atenção pela sua beleza e sofisticação: a utilização de texturas na decoração.


Este conceito não vem de hoje, é um clássico que se foi reinventando e que traz ainda mais personalidade aos ambientes. Com diversas possibilidades de aplicação, elas podem estar presentes em qualquer espaço, adequando propostas e trazer ainda mais aconchego à sua casa.




A questão é:


“Como é que eu posso fazer isso?”


Nós explicamos!


Texturas no design de interiores


A textura é a sensação produzida pela forma como as coisas são sentidas através dos nossos sentidos. É com isto em mente que o trabalho de escolha e combinação de materiais e texturas deve ser feito.


No design de interiores, usamos o que é conhecido como peso visual. Um efeito sem o qual os espaços parecem planos. Para ganhar esse peso visual, precisamos usar texturas que combinem o contraste e a profundidade necessários para criar detalhes.



Usar as texturas é a arte de misturar o áspero com o macio. Embora possa parecer um efeito tátil, na verdade, é um efeito visual. Aliás, o uso correto da textura vai muito além da mistura de materiais. Elementos como a luz ou a sobreposição de camadas são alguns dos truques que nos ajudam a usar as texturas de forma fluida.



Isso leva-nos à questão essencial no que toca às texturas e qual é o ponto mais importante para as fazer funcionar.


Contrastes & Sobreposição de camadas

Sejam quais forem as texturas, o seu papel é provocar um impacto positivo na decoração – elas são o ponto de atenção nos espaços e devem impor-se logo à primeira vista.


As texturas são imponentes e muito utilizadas para contrastar elementos. Uma ideia que está em alta é fazer uma composição forte, utilizando uma textura mais grotesca e marcante misturada com elementos claros e minimalistas.


Por exemplo: uma parede bem estruturada e colorida com móveis brancos e retos à frente. Ou, então, um sofá de cor neutra com almofadas de tecido de cor quente e com ranhuras.


Na decoração, a chave para esquemas ricos e profundos está na criação de várias camadas. A ideia é que as texturas conversem e combinem entre si, independentemente dos elementos que serão incluídos, eles devem gerar contrastes entre si.


Isto leva-nos ao tipo de decoração e de material que aconselhamos para tornar isto possível.



Texturas na decoração: quais são as tendências?


Revestimentos na parede:

Contrariando o que se pode imaginar, seu espaço não precisa ter uma base lisa para que as texturas sejam inseridas. Os revestimentos de parede e de piso são grandes aliados do designer preocupado com a texturização do ambiente.


O mercado oferece diferentes opções de revestimentos para as paredes, em diferentes materiais e texturas: plástico, porcelanato, cerâmica, cimento e madeira, além dos famosos papéis de parede.


Entre esses materiais aparecem tanto texturas reais quanto os revestimentos que causam a impressão de textura, como no caso do papel de parede, que é uma opção mais acessível e que evita remodelações.


Já os painéis de madeira e os nichos embutidos são opções que não comprometem a base do espaço e podem ser facilmente reposicionados, caso haja necessidade.

Além disso, é importante considerar o ambiente que vai receber esse revestimento. O que funciona para as áreas externas pode não funcionar para os espaços internos.


No caso do piso, a regra de combinar o revestimento com o ambiente é ainda mais importante: nas lavandarias ou nos jardins, você pode abusar das texturas; nas áreas internas é aconselhável que se mantenha uma base mais lisa.


De qualquer maneira, ainda é possível causar impressão de textura mesmo em materiais lisos, dependendo do padrão do piso escolhido.



Tapetes:


Os tapetes, além de deixarem qualquer ambiente mais aconchegante, servem para melhorar, não só a acústica mas, também, a sensação térmica de sua casa.


Consequentemente, a sua versatilidade - já que o tapete pode ser produzido em dezenas de materiais diferentes - colabora para que se defina todo o estilo do espaço. O nosso conselho é que o escolha no final do projeto para tornar o ambiente mais homogéneo.


São muitos os materiais, com diferentes texturas: se você prioriza o conforto, escolha lã ou algodão; para decorações com tema de natureza, pesquise pelos modelos de fibra natural, juta ou sisal; já o tapete feito em chenille é mais sofisticado.


Há ainda os modelos em couro, microfibra, nylon e polipropileno, todos com texturas diversas. Além disso, você pode unir diferentes modelos e materiais para criar uma estampa totalmente sua.



Tecidos: personalize os seus objetos e móveis


Os tecidos aparecem em diferentes momentos da decoração: em grande escala, como no caso das cortinas, que podem ser usadas de maneira discreta ou como ponto de foco na sala; ou em menor escala, como a manta posicionada no braço do sofá, por exemplo.


O uso de tecido fornece o equilíbrio necessário para um espaço que carece de texturas e contraste.


Podemos criar texturas ao combinar as cores dos tecidos, mas aconselhamos especialmente o uso de materiais diferentes com tecidos nas mesmas tonalidades. Isso cria profundidade e textura de maneira simples e com resultados espetaculares.


Quando falamos em dar textura através dos tecidos, não devemos limitar-nos exclusivamente a sofás e almofadas. Todos os têxteis do espaço devem participar no jogo de texturas. Isso inclui cortinas, tapetes, abajures e candeeiros.


A combinação de linho com veludo, lã longa com seda brilhante ou couro sintético faz sempre sucesso.


Em relação às almofadas do sofá, por exemplo, escolha um tecido estampado que enfatize uma cor e escolha a mesma cor para as almofadas, mas em diferentes tecidos e texturas.


A tendência de usar o mesmo tipo de tecido no ambiente inteiro é um erro muito comum na decoração. Ser ousado e não ter medo dos contrastes é uma garantia do uso correto das texturas.



Plantas e Elementos Naturais


Para muitos, um ambiente sem plantas é um ambiente sem vida. É possível cultivar o verde em qualquer espaço, incluindo espaços internos, como o interior de sua casa.


O conceito do urban jungle, ou floresta urbana, aparece cada vez mais nas casas e nos apartamentos das grandes cidades, redefinindo o simples ato de escolher um arranjo de flores para decorar.


Além disso, elementos como a madeira, o cimento, folhagens e outros materiais de origem reciclável podem ser os protagonistas na construção do ambiente. As suas texturas próprias trazem originalidade, significado e ainda mais aconchego ao espaço.


No design de interiores, as plantas têm o papel de empregar um caráter tridimensional aos ambientes, ou seja, ao contrário dos revestimentos de parede e de piso, as plantas não são lineares, são vivas, crescem e adaptam-se ao seu meio.


No entanto, não se esqueça: ao escolher suas plantas, é preciso considerar limitações como incidência de luz solar, humidade e mudanças de temperatura.




Conheça o Atelier Bossa


Somos uma empresa que atua na área de arquitetura, design de interiores e construção.


Estamos inseridas no mercado há 3 anos e nossos principais objetivos são projetos na tipologia “chave na mão”, onde fazemos um projeto de execução e remodelação.


Para ver o nosso trabalho pode aceder ao nosso portfólio, no site do Atelier Bossa, ou às nossas redes sociais, como o instagram ou o pinterest onde publicamos alguns dos nossos projetos e sugestões.


Se quiser mais dicas, novidades, ambientes inspiradores e muitos conteúdos, acompanhe o nosso trabalho nas redes sociais e subscreva a nossa newsletter!








5 visualizações0 comentário